Adorável Mãe Chata

15
JAN
2013

Inspirações

Bagunça

Depois de quase quinze anos casada, resolvi virar dona de casa em quinze dias! Desde o começo do ano, estou fazendo uma varredura geral, passando por todos os cômodos, armários, gavetas e estantes. Arrumando lugar certo pra tudo, me desfazendo do que está quebrado ou fora de uso, etiquetando caixas e organizadores. Já foram vários sacos pro lixo, outros tantos pra doação e eu ainda estou na metade! Somado a isso, fiz cardápio semanal, compras fartas, mas precisas e… estou cozinhando! Fiz almoço no sábado (salmão ao molho de maracujá), no domingo (rosbife com purê de batatas e cebolas assadas) e anteontem fiz uma abobrinha light ao forno para o jantar, só que foi para o lixo… ficou ruim à beça, mas valeu a tentativa. Hoje vou tentar um kibe assado. Sempre começo no exagero, na empolgação, depois vou ajustando a dose. So far, so good. Estou curtindo. Acontece que notei um efeito colateral indesejado: estou chata pra cara…! Mil desculpas pelo (quase) palavrão, desculpas mesmo, acho super indelicado, mas é pra vocês entenderem o quanto estou chata. Estou igual a um sargento com as crianças, minha vontade é colocar aquelas fitas zebradas nas portas de cada cômodo que termino de arrumar – acesso restrito! A cada coisa que eles colocam a mão eu grito logo: “depois de usar, volte imediatamente pro lugar!”, é claro que eles não voltam, até ontem eu mesma deixava fora do lugar, aliás, não tinha lugar! A arrumação, pra ser duradoura, demandará novos hábitos. A considerar que eles estão de férias, os últimos dias têm sido tensos. Alguém sabe em que gaveta fica o meio-termo? Não to encontrando de jeito nenhum!

É claro que toda (boa) mãe tem sua porção de chatice. Ser legal é muito fácil, dizer sim é mais gostoso. Arrumar ao invés de pedir que arrumem é mais rápido. Abrir um pacote de bolacha é bem mais prático que descascar uma fruta. Deixar na frente da televisão ou do videogame é tranquilidade na certa, por algumas horas. Matar o banho ou pular uma escovação de dentes não é nenhum crime. Ser legal é tentador! Mas não dá… as consequências podem ser irreversíveis. As mães são chatas. Ponto. (Mãe, isso inclui você, mas te amo mesmo assim. Obrigada por toda chatice!). Vou continuar fuçando nas gavetas, uma hora encontro o equilíbrio. Talvez na cômoda da maturidade, entre o bom-senso e a intuição.

Isso me fez lembrar um hábito criado por uma amiga do meu marido que achei muito bem bolado. Ela instituiu, junto com os filhos, o Dia do Pode. Nesse dia da semana tudo (ou quase tudo) pode: pode jantar salgadinho, pode ver televisão até de madrugada, pode ficar sem banho, pode deixar a cama sem arrumar… enfim, pode tudo o que não pode nos outros dias. Além de ser divertido e relaxante pra família toda, a mãe  pode passar um dia inteiro sendo legal! A ideia não é mesmo muito boa?!

comentários

  1. Ana disse:

    Re,
    Vc é uma escritora linda….é tão bom ler seus textos….traz leveza para o dia!
    tks

  2. Ohhhh Renats…, sou sua fã!!! Lov u!!! Bjo

  3. lilia disse:

    Muitas e muitas vezes as mães são realmente chatas ; mas mais chato ainda , é ter que ser chata,né ? Adorei este texto. Muito original a “cômoda da maturidade” e “a gaveta do equilibrio”.

    Parabens , filha! Bjos

  4. Re, como eu sou chata! Obrigada pelo toque, kkkk.

envie seu comentário

maisquarenta

Bagunça

Adorável Mãe Chata

Depois de quase quinze anos casada, resolvi virar dona ...