Sozinha no MASP

15
JUN
2012

Descobertas

Masp

De uns tempos pra cá, tenho visto crescer em mim uma curiosidade persistente, um apreço espontâneo, um interesse absolutamente novo e gratuito pela Arte. Coisa muito recente mesmo, uns 3 anos, acho. Não sei como e nem porque começou, mas isso pouco importa, o importante é que ganhei algo novo pelo qual me interessar e isso é bom. Enche minha cabeça de coisas bonitas e novas inspirações.

Como não entendo absolutamente nada do assunto, me sinto livre pra olhar e concluir sozinha, dentro da minha ignorância, se gosto ou não. Percebo que as obras que mais me encantam são as que mostram a capacidade criativa do autor. Mais do que técnica, é a criatividade que me deixa fascinada! Na pintura, aprecio e respeito as obras realistas em que as telas parecem fotos, mas não são minhas preferidas, não. Fico maravilhada mesmo com as pinceladas displicentes do Monet , por exemplo – como ele fazia aquilo?!

Outra coisa que me faz vibrar é ficar diante de um quadro original, principalmente os mais antigos – ter algo concreto, como um quadro, que me conecte a muitos séculos passados realmente me emociona! Pena as oportunidades serem tão poucas. Viajo bem menos do que gostaria, sempre com as crianças, então as visitas a museus nunca duram o tempo necessário, mas o tempo que eles se mantêm interessados. Por conta disso, há uns 2 meses, resolvi passar uma tarde sozinha no MASP. Um presente pra mim, um mimo que eu achei que merecia.

Em parte, já sabia o que iria encontrar porque tinha ido ao MASP no ano passado, junto com a turma de um curso rápido sobre arte que promovemos no Pátio. Então, investi minhas poucas horas nas obras que chamaram mais minha atenção na visita anterior. O acervo é muito rico! Tem Monet, Renoir, Van Gogh, Picasso, Cézanne e até Rafael (bem pequeno, mas original, data de 1499-1502!). Fiz a visita no meu ritmo, calada, saboreando tudo… uma delícia mesmo.

Fiquei um longo tempo na frente da tela Passeio ao Crepúsculo, do Van Gogh, e viajei pra muito longe! Imaginei ele bem ali, diante da tela, no mesmo lugar que eu estava. O que será que passava naquela cabeça tão atormentada enquanto ele dava aquelas pinceladas? Por razões óbvias, eu nunca vou estar diante do Van Gogh, mas a danada daquela tela sortuda já tinha estado um dia! Ela é o mais próximo que eu vou chegar dele e daquele tempo e isso pra mim é mágico!

Depois deste pequeno presente que me dei, fez todo sentido uma frase do poeta alemão Ludwig Tieck, que encontrei numa das paredes do museu naquela tarde (na verdade, este post todo foi só pra dividí-la com vocês):

linha2 Sozinha no MASP

Deveríamos fazer do comum algo extraordinário e então nos surpreenderíamos descobrindo que está muito perto de nós a fonte de prazer que buscamos em algum lugar distante e difícil. Estamos muitas vezes a ponto de pisar na maravilhosa utopia, mas acabamos olhando por cima dela com nosso telescópio.

linha2 Sozinha no MASP

O MASP funciona às terças, quartas, sextas, sábados e domingos das 11 às 18h e às quintas das 11 às 20h. O valor do ingresso é de R$ 15,00 (inteira) e R$ 7,00 (meia). Às terças, a entrada é gratuita.

comentários

  1. Silvia disse:

    Boa ideia… agora estou aqui pertinho do MASP, qualquer dia vou dar um pulo lá. Valeu!

  2. admin disse:

    Dou o maior apoio!!! Bjs.

envie seu comentário

maisquarenta

Masp

Sozinha no MASP

De uns tempos pra cá, tenho visto crescer em mim &hell...