Quem é você mesma?

03
ABR
2013

Descobertas

Menina

Acho que as descobertas internas são as mais tardias, as mais difíceis e, por vezes, muito doloridas, mas são as mais bonitas e transformadoras. Quando a gente acha que já conhece tudo sobre si, eis que surge uma pergunta nova. Às vezes, com o passar do tempo, são as respostas que mudam. Talvez por isso o “ser você mesma” não seja algo tão simples quanto parece. Ser (absolutamente) sincera consigo mesma, sem filtros e sem medos, pode nos deixar perplexas. Pode se tornar uma experiência apavorante, perturbadora, mas que precisa acontecer pra nossa vida ser de verdade.

Percebi uma dessas bonitas descobertas internas no texto abaixo, extraído de um livro que encontrei guardado na minha última faxina e senti vontade de dividir com vocês:

“Ao que parece, construí um mundo paralelo e é lá que eu tenho vivido. Lá eu sou transparente como água, minhas intenções são a única verdade e bastam. O mal é nada mais que a ausência do bem e, portanto, não deve se aproximar. Lá os limões servem para fazer refrescos e eu nunca compreendi os que insistiam em apenas chupá-los. Lá eu tenho muito pouca idade e não me dou conta disso. Neste mundo paralelo tudo sempre acaba bem e viver é infinitamente bom. Mas, dias atrás, virei numa curva e houve uma grande colisão. Bati de frente com o mundo real e vi que é lá que as outras pessoas vivem e é pra lá que eu tenho que ir, ainda que machucada. Viver é mais desafiador do que minhas vontades, mas eu quero.”

linha6 Quem é você mesma?

“Porque eu sou do tamanho do que vejo

E não do tamanho da minha altura…”

(De O Guardador de Rebanhos – Fernando Pessoa)

Nenhum comentário ainda

envie seu comentário

maisquarenta

Menina

Quem é você mesma?

Acho que as descobertas internas são as mais tardias, ...