De onde vem a inspiração

11
JUL
2013

Pequenos Grandes Prazeres

Futebol

Tem um homem no meu quintal jogando bola com três meninos radiantes. O céu azul e o sol dourado esquentam o ar frio do inverno que ainda não decidiu se vai ou se fica. Ele provoca os garotos gritando com voz de monstro: “pode vir, pode vir!”, “vocês três contra mim!”, “vou ganhar de todo mundo!” e chuta a bola pra lá e pra cá e eles correm sem descanso, correm sorrindo, se divertindo mais com a presença adulta do que com o futebol. A bola agora tornou-se um elo sagrado e talvez os gols sejam pouca coisa nesta pelada de férias. Ninguém interrompa este momento, por favor. O homem segue provocando: “sou o melhor goleiro do mundo, ninguém marca penalty em mim” e eles adoram, chutam com força, estão com as bochechas vermelhas e gotinhas de suor nas costeletas imberbes. E eu poderia dizer que esta é a melhor tarde do mundo, mas amanhã pode ter pelada outra vez e… bom, nunca se sabe o que pode acontecer com a felicidade morando tão perto.

Meus dois sobrinhos, meu filho menino e meu amor no quintal.

Entre os Andes e os Vinhos…

30
ABR
2013

Pequenos Grandes Prazeres

Mendoza4

Passei quatro dias em Mendoza, na Argentina, acompanhando o maridão numa viagem a trabalho e voltei pensando em quanta coisa nova a gente é capaz de aprender em tão pouco tempo. A região é uma das principais produtoras de vinho da América Latina e concentra mais de 1200 vinícolas. Eu visitei apenas cinco, mas adorei todas elas. Além do processo de produção do vinho, apresentado in loco nos tours pelas vinícolas, e do básico em degustação de vinhos, explicado por uma linda-jovem-sommelier-de-longas-madeixas-louras que fez meu sangue ferver de ciúmes, aprendi mais um monte de coisas:

√ A azeitona no seu estado original, ou seja, colhida direto da oliveira, é hor-rí-vel! A coisa mais amarga que já experimentei na vida, parece aspirina!

A uva vira uva-passa na própria videira, é só esperar o tempo dela secar. Doce, doce, doce.

Meu diploma de espanhol já era. Falei um portunhol lascado!

Os argentinos fazem a melhor carne do mundo!

Se ganhar dinheiro na primeira noite de cassino, não volte na segunda…

A harmonização de vinhos e cardápio não é frescura. Faz toda diferença, mesmo.

Já sou capaz de viajar de avião sozinha sem suar muito as mãos.

A alpaca é uma liga metálica, com características semelhantes à prata, muito utilizada na Argentina. Existem peças lindas nas lojas de artesanato locais. (Também existe uma animal com este nome, semelhante à lhama, que vive nos Andes, mas desde eu não vi nenhum).

Queijo brie com uma crosta de açúcar queimado crocante + figo + rúcula = comer virando os olhos!

Viajar sem os filhos é ruim, mas é bom.

Quando o comércio local é uma bomba, você sempre pode contar com o Duty Free!

Saudade faz bem.

Devo ter aprendido várias outras coisas, mas foi dessas que me lembrei agora. Viajar é isso: um intensivão da vida. A gente sempre volta sabendo mais e cheio de histórias pra contar!

linha8 Entre os Andes e os Vinhos...

{Sessão de Fotos}

Mendoza31 Entre os Andes e os Vinhos...

linha8 Entre os Andes e os Vinhos...

Mendoza21 Entre os Andes e os Vinhos...

linha8 Entre os Andes e os Vinhos...

Mendoza11 Entre os Andes e os Vinhos...

(FOTOS: com exceção da foto da Bodega Melipal, as demais são minhas.)

O que será que tem lá dentro?

09
ABR
2013

Pequenos Grandes Prazeres

Leitura

Tenho forte atração física pelas livrarias, elas exercem um poder de sedução ao qual eu, definitivamente, não sei resistir. Gosto daquelas enormes, com livros do teto ao chão, mas não deixo de me encantar pelas pequeninas, aquelas de bairro que a gente quase não encontra mais por aqui. Nem sempre saio com um volume na mão, sou capaz de controlar a compra, mas nunca a paquera. É inevitável olhar pr’aquelas prateleiras e ficar imaginando quantos mundos têm ali, quanto conhecimento escondido nesses pequenos baús de tesouro chamados livros. Esse pensamento também se repete a cada leitura que eu começo: pra onde será que eu vou agora? quem será que eu vou conhecer? No começo do ano, fui para a Londres da era vitoriana e presenciei um ataque do Jack Estripador (“O Mapa do Tempo”, de Félix Palma), depois conheci o Ismael e descobri tudo sobre a caça às baleias, na costa leste americana (“Moby Dick”, de Herman Mellvile) e confesso que achei bem chato (não o Ismael, coitado, mas as minúcias da narrativa), agora estou no norte da França, em pleno século XIX, entendendo como eram reprimidas e infelizes as mulheres daquela época (“Madame Bovary”, de Gustave Flaubert – como esse cara escreve bonito!).

Dizem que os livros vão sumir, vão todos virar arquivo digital. Pode até ser, mas espero não estar viva pra ver isso. Ipad (e equivalentes) não tem cheiro de livro, não dá pra dobrar a ponta da página, não dá pra deixar dedicatória, não dá pra saber quanto falta, não enfeita minha estante, não dá pra emprestar… enfim, não tem charme nenhum. De qualquer forma, mais vale a leitura que o livro e é esse amor às estórias que a gente precisa cultivar nos filhos, independentemente do instrumento que eles vão utilizar, certo? Esta foi a motivação deste post. Há alguns anos, conheci o site Educar Para Crescer, da Editora Abril, cheio de dicas e informações preciosas para inserir as crianças no universo infinito da Literatura. Uma das ferramentas mais ricas que encontrei por lá foi uma relação, elaborada por 18 educadores, que traz os 204 livros que a criança deve ler, dos 2 aos 18 anos, para construir uma base cultural sólida. A lista traz 1 livro por mês, de acordo com a idade da criança – é incrível! As 10 Dicas Pra Incentivar Seu Filho a Ler também são um achado no site e vale a leitura. Vá em frente!

linha2 O que será que tem lá dentro?

“É claro que meus filhos terão computadores, mas antes eles terão livros.”

(Bill Gates)

Básico poderoso!

15
MAR
2013

Pequenos Grandes Prazeres

Liceu de Maquiagem 3

Logo depois do meu último post, minha irmã me ligou pra perguntar: “então é o fim do blog, Rê?”, e eu: “como assim?”, “ué, você disse que não voltaria a escrever antes que fosse na oficina…”. Dei risada, mas não pude me defender, afinal quem tem fama deita na cama – não é assim que diz o ditado?! Pois muito bem, ontem eu FUI À OFICINA! E, pasmem, o conserto é simples, não vai me custar mais do que R$ 200,00 e 40 minutos. Hoje à tarde, resolvo esta questão e ponto final, viu irmã?!

Explicação dada, vamos ao assunto do post de hoje: tenho uma dica muito legal pra dividir com vocês! Há pouco tempo, tomei conhecimento do Liceu de Maquiagem, uma mistura de salão de beleza com sala de aula, que fica em São Paulo e é comandado pelos experientes Vanessa Rozan e Vito Mariella. Uma amiga comentou que tinha feito um curso rápido de auto-maquiagem por lá e que tinha adorado. Fiquei morrendo de vontade de fazer e fui me informar. Como as turmas são bem pequenas (até 7 pessoas), convidei algumas amigas pra tentarmos fechar um grupo (eles costumam dar 15% de desconto nestes casos) e elas também se animaram! Fizemos o curso ontem à noite e foi divertidíssimo, além de muito educativo mesmo! Acho que, agora, vou conseguir dar um up no visual sozinha, além de ficar menos perdida na próxima Sephora que eu entrar!!!

Escolhemos fazer o curso “Básicodobásico”, já que todas éramos bem leigas no assunto. Aprendemos técnicas básicas para uma maquiagem suave, de uso no dia a dia, mas que faz uma baita diferença, principalmente no efeito da pele – dá aquele ar de mulher bem tratada, sabe? Também existem algumas outras opções muito legais como o curso “Olhotudo-bocanada” – fiquei com muita vontade de fazer! Eles oferecem todos os materiais e vão dando o passo a passo de maneira bem didática, personalizada e 100% mão na massa. Foram duas horas de curso, mas parece ter sido 15 minutos! Neste dia, quem deu aula pra gente foi o Vito (super competente e divertido!), com ajuda da Gisele, que também sabe tudo! Foi muito bom e, pra completar, o lugar é uma graça! Eles montam turmas regularmente, basta checar o calendário de aulas no site e se inscrever, mas se conseguir juntar uma turma de amigas… tudo fica SEMPRE mais gostoso com elas, não é?! Recomendo demais!

(Kel, Gi, Iza e Poly vocês fizeram falta…)

linha4 Básico poderoso!

Confiram as fotos…

Liceu de Maquiagem 11 Básico poderoso!

linha3 Básico poderoso!

Liceu de Maquiagem 2 Básico poderoso!

linha5 Básico poderoso!

Liceu de Maquiagem

Rua Pedro Taques, 110 – Consolação – São Paulo/SP

Tel: 11 3083 0500

www.liceudemaquiagem.com.br

Romance de novo

31
JAN
2013

Pequenos Grandes Prazeres

Barak Obama

Você já deve ter visto a foto acima e talvez saiba que ela conquistou o título de foto-mais-curtida-da-história-do-Facebook, com 4.445.152 curtir (o último deles é meu!), 580.311 compartilhamentos e 215.935 comentários. Ela foi postada na fanpage de Barak Obama, no dia 07/11/12, logo após sua vitória nas eleições americanas, acompanhada do texto “four more years”. O assunto já está bem ultrapassadinho, mas é que li um artigo sobre esta foto ontem, na Vogue QG de dezembro, escrito por Ivan Martins e não resisti à tentação de retomar o assunto por aqui.

Minha pergunta é: se o presidente reeleito tivesse escolhido outra foto pra postar neste dia, talvez uma em que aparecesse sozinho com os braços erguidos em comemoração ou mesmo ao lado da primeira-dama e das filhas, será que alcançaria esta marca? Eu acho que não. Mais do que a vitória do presidente, acredito que o tocante nesta imagem é o abraço encaixado, os olhos fechados, a conquista conjunta, a cumplicidade e o amor sincero que parece existir entre esses dois. Se foi um golpe de marketing eleitoral, eu caí feito um patinho. Por mais que a gente endureça, se desiluda, por mais que a gente se independa ou se fruste, por mais que a gente atravesse momentos difíceis num relacionamento e não saiba onde foi parar o frio na barriga, o olhar apaixonado, as gentilezas e o gosto gostoso do romance, é natural acreditar e querer o amor na nossa vida, ter alguém e torcer para que seja verdadeiro e duradouro. Só que torcer não basta, não é? A gente precisa trabalhar pra isso, lembrar todo dia dos motivos que nos uniram, cultivá-los e, importante, permanecermos apaixonáveis. Entendi uma coisa muito útil durante os meus (quase) 15 anos de casamento: pra termos ao nosso lado o companheiro dos nossos sonhos, precisamos, também, lembrar de ser a companheira dos sonhos dele.

Recentemente, uma amiga disse estar farta do “complexo de cinderela” que incutiram na gente. Essa mania que nós, mulheres, temos de viver em busca do príncipe encantado (e do felizes-para-sempre), de nos sentirmos incompletas enquanto não o encontramos ou, pior, frustadas quando o encontramos, mas ele não é tão encantado assim… Em parte, concordo com ela, acho até que é este tal complexo que faz com que a gente desista cedo do romance, uma vez que ele nunca é igual aos dos filmes. Também concordo que é fundamental nos escutarmos, nos conhecermos, irmos em busca do que nossa alma nos pede, desfrutarmos da nossa própria companhia, nos sentirmos livres. Então poderemos, livremente, escolher estar com alguém (ou não). Para sempre, enquanto felizes.

“Eu não seria o homem que sou hoje se não fosse pela mulher que aceitou casar comigo mais de 20 anos atrás”, disse Obama no discurso de posse. Batida a frase, né? Mas, pasmem, eu acredito na frase e acredito no Obama – ele realmente não estaria lá sem sua Michelle. Assim como o casal da Casa Branca, acredito nos relacionamentos em que um melhora o outro e constroem coisas juntos, se respeitam e se ajudam, ninguém se anula, têm planos em comum, relevam bobagens, dialogam, partilham uma taça de vinho, massageiam os pés, entendem a importância do “tempo com os amigos”, curtem sexo e o apimentam de vez em quando, se irritam com pequenas manias, brigam, discutem, ficam de mal, mas só querem ficar de bem.

Podem me chamar de piegas, antiquada, romântica, iludida… não dou a mínima. O amor me comove e ponto final.

linha7 Romance de novo

PS: ontem à noite, assisti ao filme Quando Me Apaixono (Then She Found Me), que mostra a vida conturbada de uma mulher de quase 40, louca para ter um filho e na iminência de uma separação. O filme não é nenhuma maravilha, força a barra em alguns pontos, mas vale a pena pela atuação incrível e emocionante da Helen Hunt (linda e sexy aos quase 50 anos!) e pelo diálogo final entre ela e Colin Firth. É um bom resumo de tudo que quis dizer até agora. Assistam e depois me contem, ok?

O que fizeram com o romance?

29
JAN
2013

Pequenos Grandes Prazeres

Romance

Ontem, li um artigo na Folha de São Paulo que tratava da dificuldade dos adolescentes e jovens desta geração em se relacionar afetivamente. A geração do “ficar” não entende nada de paquera e muito menos de conquista. Ao invés de marcar encontro, dizem onde vão estar através das redes sociais e quem quiser que se ache, troque uns beijos e tchau. O bate-papo “pra gente se conhecer melhor” é absolutamente desnecessário, já que todo mundo sabe tudo sobre todo mundo através do Facebook – o grande (e fracassado) cupido da atualidade. Uma pena.

É claro que existe um monte de coisas legais hoje em dia, mas fico triste quando penso em todas as coisas boas que morreram e que meus filhos não vão experimentar. E, se experimentarem, talvez nem gostem porque são estranhas ao “paladar” deles, são ultrapassadas mesmo. Tirei um tempinho pra pensar e consegui montar a listinha abaixo:

Romance 11 O que fizeram com o romance?

linha6 O que fizeram com o romance?

2. Assistir aos Flintstones, Os Jatsons, Tutubarão, A Caverna do Dragão, Os Impossíveis, Lula-Lelé, Zé Colméia, Smurfs, Manda-Chuva, a Formiga Atômica, a Tartaruga Touché e o Mr. Magoo!

linha6 O que fizeram com o romance?

3. Paquerar, paquerar, trocar olhares, sentir frio na barriga, torcer por uma investida e, só então, beijar na boca.

linha6 O que fizeram com o romance?

4. Trocar bilhetinhos com as amigas. (Pra que, se existem os torpedos?)

linha6 O que fizeram com o romance?

Romance 21 O que fizeram com o romance?

linha6 O que fizeram com o romance?

6. Ir pra noite cheia de expectativa, sem saber se vai conseguir encontrar o paquera – com o advento do “check-in”, hoje em dia todo mundo sabe onde está todo mundo (ok, isso talvez fosse útil na nossa época…).

linha6 O que fizeram com o romance?

7. Revelar fotos, ver quantas ficaram boas e quantas (tantas) ficaram péssimas. Já tive ótimas surpresas…linha6 O que fizeram com o romance?

8. Ouvir a melhor pergunta do mundo:

“quer namorar comigo?”

linha6 O que fizeram com o romance?

Romance 31 O que fizeram com o romance?

linha6 O que fizeram com o romance?

10. Flashdance, Footloose, De Volta Pro Futuro 1, 2 e 3, Karatê Kid, Stallone Cobra e todos do Jean Claude Van Damme (eu amava!!!), o Exterminador do Futuro, Dirty Dancing, Indianna Jones, Os Caça-Fantasmas e tantos outros!

linha6 O que fizeram com o romance?

11. Colecionar miniaturas das garrafas de Coca-Cola, Fanta e Taí.

linha6 O que fizeram com o romance?

12. Passear na Av. Nove de Julho no domingo à tarde e comer no Pastelito (eu adorava o Soberbo – pastel de frango com catupiry!).

linha6 O que fizeram com o romance?

Romance 41 O que fizeram com o romance?

linha6 O que fizeram com o romance?

Nossa, como eu gosto de ser ultrapassada! Vocês lembram de mais alguma coisa?