Putz, e agora?

19
JUN
2012

Inspirações

Casal

Tem um casal muito importante na minha vida que está sofrendo de amor, e isso é bom. Eles se separaram há alguns meses, depois de muitos anos de casamento, deixando todos nós – amigos e familiares – surpresos, órfãos, incrédulos e esperando uma breve reconciliação, mas nada aconteceu, não houve reação de nenhum dos lados. Então, conversando recentemente com ambos, em situações distintas, pude perceber que não estavam felizes sozinhos, de alguma forma ainda pertenciam um ao outro.

Sou muito romântica, sadismo não é a minha praia, mas este sofrimento que vejo nos dois me deixa feliz, me faz acreditar que tem sentimento vivo no meio disso tudo e onde tem sentimento, há de ter uma chance.

Perguntei, xeretei, cutuquei até onde eles permitiram… queria entender porque não tentavam de novo. Depois de um monte de respostas cheias de dúvidas e de um monte de silêncio também, entendi que eles sentem falta da pessoa pela qual se apaixonaram lá atrás e não daquela que se separaram há poucos meses. Putz, e agora?

Não sei. Eu acredito que cada casal descobre sua própria maneira de ser feliz. A minha é oferecer o que tenho de melhor em mim, sem preguiça, sem acomodação e sem esperar do outro o que eu já sei que ele não pode me dar – não por uma falha, mas porque não é da sua natureza – assim não dou espaço para as frustrações, mas abro pra um monte de surpresas boas. Soma-se a isso o diálogo aberto, muita conversa mesmo, sobre tudo, sempre, a toda hora. Nosso tática é: descomplicar.

Então, já que não tinham muito a perder, sugeri àquele casal querido que experimentassem fazer isso: conversar abertamente (sem máscaras e sem armaduras) sobre o que têm a oferecer um ao outro e no que estão dispostos a investir (ou a abrir mão) para se apaixonarem de novo. Se essa troca bastar para ambos, então pode dar certo. É muito difícil eles voltarem a ser aquele casal que se conheceu na faculdade, até porque aquelas pessoas não existem mais, mas é grande a chance de se tornarem um casal melhor, porque a gente amadurece com o sofrimento e o amor também, eu acredito nisso.

Gosto das metáforas, elas ilustram tão bem alguns pensamentos meus. Então falei pra eles assim: pensem que o amor de vocês é como um pobre coitado que apanhou muito, levou uma baita surra mesmo e está caído no chão, desfigurado, irreconhecível, mas ainda respira. Se vocês acudirem, há grandes chances dele ficar bom, vai levar algum tempo e dar muito trabalho, talvez fique com uma ou outra marca, mas pode ficar vivo e forte de novo (e mais esperto, claro!). Se não fizerem nada, ele vai acabar morrendo e, cá entre nós, uma morte bastante indigna pra um cara tão legal.

Putz, e agora?

Agora, vocês todos, por favor, torçam e rezem comigo, porque sou muito fã desse cara e quero ele vivo!

A Ivete fez 40!

14
JUN
2012

Inspirações

Ivete

Lembra quando as mulheres que a gente achava lindas eram sempre (bem) mais velhas do que a gente? Então… tenho tomado cada susto! Melhor não tentar descobrir quantos anos tem a Rachel Adams, a Scarlet Johansson, a Patrícia Poeta, a Natalie Portman… (só pra citar meus sustos mais recentes). A boa notícia é que tem a Ivete! Linda, incrivelmente ativa, cheia de vida, agenda corrida pra dar conta de carreira e filho, ralação pra ficar em forma… enfim, um pouco do que a gente conhece.

A baianinha porreta completou 40 anos no finalzinho de maio, virou o hodômetro sem qualquer encanação – “lindona e gostosona”, nas palavras dela mesma. E este post é só pra dar meus parabéns pra ela!

Em tempo, artistas de Hollywood e celebridades não deveriam ser nossas referências, afinal o que vemos não existe de fato, são miragens produzidas pra gente se frustar! De qualquer forma, é inegável que elas nos inspiram e comprovam que a maturidade é linda e incrivelmente sexy!

Some of my favorites…

Ivete21 A Ivete fez 40!

Quais são as suas favoritas? Mande um comentário pra eu montar um post com as mais votadas!

A descoberta do ano (passado)!

11
JUN
2012

Inspirações

Palestras TED

Algumas horas antes da virada do ano, estávamos batendo um papo tranquilo na casa de praia do meu sogro, quando meu marido enveredou pra uma conversa retrospectiva (adoro!). Perguntou por dois acontecimentos que tivessem marcado o ano de 2011 pra mim, um bom e outro ruim.

O ruim me veio muito rapidamente e apertou meu peito de novo. Uma doença grave numa criança de 9 anos, filha de uma pessoa querida. Além de devastadora para a família, a notícia perturba o coração de qualquer mãe. Ela está em tratamento desde então e continua em minhas orações (fiquem à vontade para somarem às suas, por favor).

O acontecimento bom demorou um pouco mais para eu escolher, porque tem sempre muito mais coisa boa do que ruim acontecendo na vida da gente, felizmente. Respondi que ter descoberto as palestras do TED me deixou muito feliz, abriu um universo de coisas novas e interessantes bem ali, dentro do meu computador! Na verdade, as palestras já estão disponíveis gratuitamente na internet desde 2006, mas foi somente no ano passado, através de uma reportagem na revista Exame, que fiquei sabendo do que se tratava – um achado! São milhares de palestras (muitas delas com legendas em português) de estudiosos, intelectuais, pensadores, cientistas, artistas do mundo inteiro, sobre os mais diversos assuntos, todas elas devendo respeitar a restrição de não ultrapassar o tempo de 18 minutos – ou seja, só o essencial é dito!

Pra mim, que adoro ouvir gente interessante, foi mesmo o acontecimento do ano! Os cinco links abaixo são das minhas palestras preferidas (até agora!). Deixo o convite para que as saboreiem aos poucos e, se gostarem, passem pra frente – afinal, o lema do TED é este mesmo: ideas worth spreading! (algo como: “ideias que vale a pena espalhar”).

linha1 A descoberta do ano (passado)!

Isabel Allende: jornalista e escritora chilena, ministra uma palestra muito divertida (apesar da seriedade da mensagem) sobre o valor da mulher no mundo.

linha1 A descoberta do ano (passado)!

Jane Fonda: atriz, escritora e ativista política americana, dá uma lição tocante sobre como a vida pode ser extremamente rica depois dos 70 anos!

linha1 A descoberta do ano (passado)!

Jill Taylor: neurocientista americana, narra de maneira emocionante e inacreditável a própria experiência ao ter um derrame cerebral – é incrível mesmo!

linha1 A descoberta do ano (passado)!

Bunker Roy: educador e ativista social indiano, explica como nasceu e se organizou a “Faculdade dos Pés-Descalços”, na Índia, da qual é fundador. Uma prova do quão bom o ser humano pode ser, no sentido mais completo da palavra.

linha1 A descoberta do ano (passado)!

Elizabeth Gilbert: escritora americana, autora de “Comer, Reza e Amar”, fala sobre a dor e a alegria de ser uma escritora. Pra mim, foi especialmente marcante.

linha1 A descoberta do ano (passado)!

Vocês conhecem outras palestras do TED que gostariam de compartilhar também? Mandem pra mim!

Obrigada!

08
JUN
2012

Inspirações

Leitura a janela

Caro Fernando Pessoa,

Estamos separados por 100 anos de História, mas gostamos de fazer a mesma coisa. Você com suas canetas tinteiro, eu com minhas teclas. Você com o talento que o transformou em mestre, eu com o amadorismo que desconcerta, mas talvez com o mesmo entusiasmo. Peço sua licença para usar um de seus versos como forma de agradecer e homenagear todas as pessoas queridas que leram meu blog nas últimas 24 horas e registraram 100 “curtir” no Facebook! Perdão, você certamente não sabe do que se trata, mas não se aborreça, se vivesse nos dias de hoje, você teria uns 5000 “curtir” na primeira hora!

  • Com todo respeito e admiração,
  • Renata Valias.
  • “Saúdo todos os que me lerem,

  • Tirando-lhes o chapéu largo

  • Quando me vêem à minha porta

  • Mal a diligência levanta no cimo do outeiro.

  • Saúdo e desejo-lhes sol

  • E chuva, quando a chuva é precisa,

  • E que as suas casas tenham

  • Ao pé duma janela aberta

  • Uma cadeira predileta

  • Onde se sentem, lendo meus versos.”

  •  Obrigada!
  • FERNANDO PESSOA

 

Tela “Leitura à Janela”, de James Lewis.

Oi, muito prazer!

19
MAI

Inspirações

renata

Tenho a sensação que à medida que a gente avança na vida vamos ajustando nossas referências, quase sempre a nosso favor. Lembro com clareza do dia que minha mãe completou 40 anos, tenho certeza que não a achava velha, por isso me marcou muito a tristeza dela neste dia. Estávamos de férias, passeando e me lembro do meu pai tentando animá-la, mas ela parecia mesmo aborrecida, como se planos para o futuro perdessem um pouco o sentido.

Está chegando a minha vez, completei 37 anos em novembro passado e, honestamente, me sinto no auge da vida, sempre pronta pra começar. Sou só eu ou as referências mudaram pra todo mundo? Acreditem ou não, a maturidade me atrai bem mais que a juventude, é uma fase plena que quero desfrutar conscientemente, cada santo dia.

E então chegamos à razão de ser deste blog. “Melhor aos 40” é um projeto pessoal meu, um registro de quem sou hoje, do que (ou quem) me inspira, me move, me alegra e até me entristece. Pequenos grandes prazeres, cenas, sentimentos e percepções. Quero guardar tudo aqui, bem guardadinho, porque algo me diz que lá na frente, bem lá na frente, sentirei saudades destes dias.

Oi, muito prazer, seja bem-vinda(o) ao meu mundinho!